terça-feira, 13 de julho de 2010

NORDESTINO

Nordeste, terra sofrida.

Sem chuva...

... Vira, terra seca.

Vira, tudo torrão.

Às vezes vem chuva de enxurrada.

Acaba com tudo.

Vira, terra sofrida molhada.

Mas o homem finca o pé.

De secas e enxurradas,

Ele finca também sua fé.

Êta, cabra da peste!

Êta, cabra valente!

É esse tal de Nordestino!!!



Inacelita

1 comentários:

gorettiguerreira disse...

Um canto de bravura e de guerra ao nosso povo sofrido.
Lindo!
Bjs
Goretti

Postar um comentário

Outras poesias