terça-feira, 13 de julho de 2010

HOMENAGEM AS DUNAS DO PIRAMBU



Subiam embelezando o mar.

Finíssima areia branca, formando morros.

Criados pela natureza!

Obra divina!

Belas dunas, que Deus nos deu.

Tornou-se o lar dos favelados.

Abrigo dos desamparados...

... Dos excluídos.

Eram casebres feitos de pau, pano, papelão.

Um dia, chegaram tratores,

Máquinas pesadas.

Policiais, com seus cassetetes, armas de fogo.

Gritando... espancando...

As dunas sumiram.

Os casebres caíram.

Era a mão gigante do poder.

... Se apossando...

...Massacrando...

Hoje, me recordo de um adolescente.

Ao por do sol, com seu violão

E de uma canção.

“Venham ver, uma cidade pequenina.

Uma favela, uma menina.

Debruçada sobre o mar.

Ali nasceu Prometeu.

Ali viveu minha mãe e eu.

E eu”...

Inacelita

0 comentários:

Postar um comentário

Outras poesias