terça-feira, 13 de julho de 2010

BARRA DO MEU CEARÁ

Canoa, lancha, jangada, navegando sem parar.

Barco, bote, navio na Barra do meu Ceará.

No sopro do vento, na força do remo.

No velejo da vela, a magia do mar.

Ao comando do vento, corre o barco.

Viaja o homem a remar.

Viaja nas ondas bravias.

Bravas ondas, bravo mar.

Jangada a vela, não veleja.

É um bailar.

Ao som das ondas.

No sopro do ar.

É a doce bailarina,

no palco a flutuar.

Mesa larga, mesa farta.

Peixe no samburá.

É cantiga de roda,

de ciranda, cirandar.

Lua cheia, brisa mansa.

Espelho nas águas do mar.

Tudo se torna canto.

Poesia, poetar.

Despontar de um começo.

Desabrochar, um despertar.

Beleza, magia e riqueza.

Barra do meu Ceará.

Inacelita

0 comentários:

Postar um comentário

Outras poesias