segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

MAGNÂNIMO

Não te compartilho.
Mas te conheço, mais que a mim.
Nesse pedestal intocável.
Imponente.
És efémaro.
Cristalino.
Ao sopro do vento.
Se desfaz em pedaços.
Que recolho em minhas mãos.
E abraço ao meu corpo.
Para te resguardar.
Proteger.




Inacelita

0 comentários:

Postar um comentário

Outras poesias