terça-feira, 6 de julho de 2010
















PÁSSARO






O voar de um pássaro é infinito.


Inatingível.


É deslumbrante.


Ninguém sabe onde voa.


Onde mora.


Onde para seu voar.


É ternura lenta e livre.


Passarinhos, também passarão.






Inacelita 12/01/2010

0 comentários:

Postar um comentário

Outras poesias